Quinta, 25 de Julho de 2024
24°

Tempo nublado

Salvador, BA

Lançamentos Lançamento:

Pond lança o disco “Stung!”

O disco chega no momento em que a banda está no meio de uma turnê que vem recebendo muitos elogios da mídia e dos fãs, com os prolíficos roqueiros testando algumas das novas faixas em seu explosivo e fascinante show. 

25/06/2024 às 13h27
Por: Miquel Souzza Fonte: Assessoria de Comunicação.
Compartilhe:
Reprodução / Imprensa.
Reprodução / Imprensa.

 A amada banda australiana Pond revelou seu aguardado décimo álbum de estúdio, Stung! via Spinning Top Records, incluindo a pungente faixa principal “Constant Picnic”. O disco chega no momento em que a banda está no meio de uma turnê que vem recebendo muitos elogios da mídia e dos fãs, com os prolíficos roqueiros testando algumas das novas faixas em seu explosivo e fascinante show. 

A emocionante faixa de abertura do álbum, “Constant Picnic”, começou como uma demo do membro da banda James Ireland, que inspirou o vocalista Nick Allbrook a escrever a letra do refrão. “Gum a construiu com alguns novos e belos acordes no verso e ela meio que cresceu como as coisas acontecem”, explica Allbrook. “Essa música fala sobre todas as maneiras pelas quais nos enganamos. No amor, no clima, na história, achamos difícil encarar a verdade e sofremos terrivelmente por isso. O título vem do clássico gastronômico australiano One Continuous Picnic, de Michael Symons. Ele descreve como a Austrália, como nação, nunca teve uma classe camponesa e, portanto, nunca desenvolveu uma culinária nacional por meio do envolvimento com a terra e os solos. Estamos presos à Union Jack e carregamos nossas rações (açúcar, chá, farinha de carneiro - também uma frase em “Black Lung”) apesar de sua incompatibilidade com o meio ambiente e de sua influência destrutiva sobre ele. A frase “Constant picnic” (piquenique constante) ecoou outras, como “the lucky country” (o país da sorte) e “endless summer” (verão sem fim), que fazem parte dos mitos que contamos a nós mesmos para nos sentirmos melhor. Mesmo no ato final, preferimos apenas nos automedicar ou mentir. É um pouco complicado porque queremos apenas ser felizes.”

Tão versátil e curioso como sempre, Stung! apresenta algumas das canções mais gloriosas do Pond até hoje, bem como alguns de seus momentos menos roqueiros, todos com uma roupagem psicodélica ou funk. O disco, maravilhosamente extenso, se move com verve e desenvoltura à medida que o Pond faz curvas musicais inesperadas. Há explosões brilhantes de power-pop, como “Last Elvis”, maravilhosamente distorcida pelos floreios do tecladista Jamie Terry.

“Isso se transformou em um filme em minha cabeça, que provavelmente foi exagerado pelo fato de eu andar por Los Angeles sem carro, passando por toda a desolação e desigualdade que, especialmente em dias nublados, parece pós-apocalíptica”, diz Albrook. “Suponho que o vazio e a comédia estavam em minha mente, e é por isso que caricaturas estranhas de celebridades se tornaram os personagens principais dessa música.”

Há canções de rock pesadas (“Black Lung”), melodias nítidas como “Boys Don’t Crash” com seu riff afiado e variações sinuosas, órgãos monótonos e baixo distorcido (“Edge of the World Pt. 3”), a deliciosa “Neon River”, que oscila entre vãos de beleza acústica e paroxismos cortantes e barulhentos que sugerem o Led Zeppelin em forma de luta. O lançamento recente, “So Lo”, é um pouco de funk, o estilo descolado de Nova York e o brutalismo de Berlim recombinados em uma brincadeira vertiginosa de escapismo existencial, enquanto a faixa-título “(I’m) Stung” foi descrita pela Consequence como “calorosa e caprichosa”. Stung! é um roteiro animado do som de Pond e, acima de tudo, um disco divertido. Poucas bandas têm as habilidades e a experiência para soar tão confiantes; eles não se esquivam de nada disso.

Stung! fala sobre nosso paradoxo coletivo moderno de estarmos desapontados ou até mesmo desconsolados com um mundo sobre o qual sabemos mais do que qualquer geração anterior, mas também de estarmos maravilhados com ele e (às vezes) uns com os outros. Há tantos motivos para chorar e tantos motivos para se maravilhar. Será que todos eles, sugere Pond com Stung!, não podem ser motivos para cantar?

Os últimos quatro álbuns do Pond foram vitrines de organização e brevidade, 10 ideias sempre guardadas em 40 minutos ou mais. Mas em Stung!, eles alegremente, loucamente e voluntariamente se inclinam para a fartura de um disco duplo, explorando o espírito de Tusk e Sign ‘O’ the Times ao canalizar 14 músicas em um momento mais livre e esplêndido de sua carreira musical. Banda há quase duas décadas, Pond aceitou (com grande alegria ou alívio) que não está mais sujeito a mudanças nas expectativas do que é cool. Essa ideia os fortaleceu, permitindo-lhes tocar exatamente o que querem, para não avançarem em direção a nenhum objetivo, mas a serem eles mesmos.

É preciso mais esforço para Pond fazer um disco hoje em dia – não musicalmente, é claro, mas logisticamente. São todos adultos com relacionamentos, filhos, profissões, hobbies, projetos paralelos ou alguma mistura de todos eles. (A saber, Allbrook e Jay Watson, ou GUM, lançaram álbuns solo no ano passado.) Eles começaram a fazer Stung! então, aos poucos, um ou dois membros aparecendo no pequeno estúdio no quintal de Watson para trabalhar em uma nova ideia. Eles tocariam alegremente e interminavelmente na pequena oficina de Watson, testando uma panóplia de máquinas e dispositivos para obter os sons mais interessantes. Além do mais, eles foram capazes de deixar as músicas que tinham paradas ao longo do tempo, para que o processo profundamente democrático de Pond pudesse não apenas extrair e melhorar as melhores, mas também descobrir o que poderia estar faltando neste disco.

Por fim, perceberam que corriam o risco de ficarem presos nesta fase – criação, ajuste, adição – para sempre. Todo o quinteto mudou-se para Dunsborough, o pitoresco centro de surf na costa sudoeste da Austrália, onde um amigo havia recentemente concluído um estúdio espaçoso e de última geração. Allbrook corria perto da costa todas as manhãs. Todos nadavam durante o dia e depois gravavam até tarde da noite. Eles deixaram a maior parte de seus equipamentos auxiliares em casa, forçando-os a se aprofundar nas músicas, ideias e sons que já tinham, para melhorá-los sem se deixar levar por possibilidades infinitas. Afinal, depois de quase um ano escrevendo e trabalhando em workshops, eles tinham material de sobra, os ingredientes para um set mais expansivo do que qualquer álbum anterior do Pond.

O título Stung! começou como uma piada em Pond, uma referência a ter uma queda por alguém ou algo que eles começaram a usar com tanta frequência que simplesmente tiveram que fazer disso o nome. Eles ainda riem quando ouvem isso agora, uma piada interna boba que de repente se abre para o mundo exterior. Mas também é uma espécie de credo: apesar dos hematomas, da insensibilidade e do sofrimento, eles continuam atormentados pela música, com a ideia de fazer músicas que pareçam certas e fazê-lo juntos, como amigos. E eles também ficam magoados com o mundo, mesmo quando ele revida. “Well, I’m stung/the bells been rung”, canta Allbrook durante a faixa-título. “If love’s a game, then I guess you won.” Dez álbuns depois, Pond parece estar se divertindo mais agora do que nunca.

A turnê australiana de Stung! iniciou em Sydney e Hobart. A AU Review rotulou carinhosamente sua apresentação em Sydney como “o show do ano de 2024!”, enquanto o Sydney Morning Herald elogiou a versatilidade musical do Pond, “provando que não há faixa para a qual eles não possam mudar”. O Pond iluminará os palcos de Adelaide, Melbourne, Brisbane e Fremantle em junho/julho. Em seguida, a banda fará uma turnê pelo Reino Unido e Europa em setembro e outubro, antes de seguir para os Estados Unidos para uma extensa turnê norte-americana em novembro e dezembro.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.