Quinta, 25 de Julho de 2024
24°

Tempo nublado

Salvador, BA

Música Música:

John Grant lança o disco “The Art of The Lie”

JOHN GRANT LANÇA SEU NOVO ÁLBUM, THE ART OF THE LIE, NESTA SEXTA VIA BELLA UNION

17/06/2024 às 08h06
Por: Miquel Souzza Fonte: Assessoria de Comunicação.
Compartilhe:
Reprodução / Imprensa.
Reprodução / Imprensa.

John Grant começou a pensar em The Art of The Lie no outono de 2022. No início daquele ano, John foi apresentado a Ivor Guest, produtor e compositor, no show de Grace Jones no Southbank, no encerramento do Meltdown Festival. Eles começaram a conversar sobre dois discos nos quais Guest havia trabalhado: Hurricane, de Jones, e Prohibition, de Brigitte Fontaine. “Grace e Brigitte são duas artistas muito importantes para mim,” diz Grant. “Amo os álbuns que ele fez para elas. Hurricane é uma peça indispensável do catálogo de Grace.” Uma ideia surgiu. “Eu disse, acho que você deveria fazer este próximo álbum comigo. Ele disse, acho que você está certo.”

 

Um ano e meio depois, o resultado é o álbum mais opulento, cinematográfico e luxuoso de John Grant até agora: The Art of The Lie. Como o título sugere, a engenhosidade lírica equilibrada sob toda essa opulência musical é tão sombria quanto sua produção é épica e ousada. Ivor Guest e seu elenco de músicos renomados trouxeram drama, nuances intrigantes tão cativantes quanto Laurie Anderson ou The Art of Noise. John Grant enraizou tudo isso em uma humanidade profundamente sentida e um realismo sombrio. Ele diz. “Ajuda a engolir a pílula amarga. Música e humor são como sempre lidei com o lado sombrio da vida. Pensando bem, é assim que lido com o lado bom também.”

 

Grant compara os sabores musicais de The Art of The Lie à trilha sonora suntuosa de Vangelis para Blade Runner ou aos Carpenters se John Carpenter também fosse membro. “A primeira vez que vi aquele filme, aquela cena de abertura, e ouvi aquela música, fiquei espantado por estarmos sendo apresentados ao império maligno do futuro combinado com os sons mais bonitos que já tinha ouvido.” Embora seja inegavelmente um disco de John Grant, mesclando humor com tragédia, sangrando raiva em compaixão, há uma ambição musical e coragem em The Art of The Lie que compensa seus momentos mais políticos e pessoais.

 

A justaposição difícil entre beleza e crueldade torna a audição do sexto álbum de Grant cativante, um disco que liga traumas de infância a efeitos adultos endurecidos, geminando ambos com o mal-estar político dos EUA de 2024, um país sendo atraído para o precipício de sua própria destruição. “Tivemos permissão para sentir que pertencíamos por alguns segundos,” diz Grant. “Não mais.”

 

“Este álbum trata em parte das mentiras que as pessoas propagam e da destruição que elas geram e como somos distorcidos e deformados por essas mentiras,” ele diz. “Por exemplo, o movimento Nacionalista Cristão formou uma aliança com grupos Supremacistas Brancos e juntos tomaram o controle do Partido Republicano e veem as pessoas LGBTQ+ e não brancas como geneticamente e até mentalmente inferiores e acreditam que todos os indesejáveis devem ser forçados a se converter ao Cristianismo e aderir aos ensinamentos da Bíblia conforme interpretado por eles ou devem ser removidos para que a pureza seja restaurada na ‘sua’ nação. Eles agora acreditam que a Democracia não é o caminho para alcançar esses objetivos. Qualquer tipo de pretensão de tolerância que pode ter se desenvolvido nas últimas décadas praticamente desapareceu. Parece que os EUA estão em modo de queda livre.”

 

Outro tema constante do álbum é a paternidade. Três músicas, “Father” (“uma das melhores que já escrevi”), com seus ecos pungentes do golpe e assombro de Pale Green Ghosts, Mother and Son e a hínica Daddy, que explode de um verso mordaz para seu colorido refrão de borboleta, compõem a espinha dorsal do álbum. “Father contém tanto o adulto quanto a criança. Daddy é da perspectiva da criança. Estou falando sobre a maneira como me relaciono com os homens ao sair para o mundo, por causa da confusão em que fui criado sobre o que significa ser homem.”

 

Essa confusão sombria sustenta um novo capítulo particularmente emocional na vida solitária e novelística de John Grant. O artista está construindo um mundo, com novos episódios aumentados por novas texturas. Nesse sentido, a presença de Ivor Guest é quase como a arte de um tipógrafo. Como melhor transmitir a triste visão geral de que os mansos não apenas serão negados ao mundo, mas serão feitos seu bode expiatório ideal?

 

“Frequentemente só podíamos trabalhar por duas semanas de cada vez, era tão intenso,” diz Grant, antes de recordar um episódio no estúdio. “Ivor reuniu uma equipe de músicos incríveis. Dave Okumu [de The Invisible] é um guitarrista incrível. Ele entrou na sala quando estávamos tocando a demo de Father e imediatamente começou a fazer o que você ouve no álbum. Robin Mullarkey tocou baixo sem trastes e me surpreendeu, e o muito talentoso Sebastian Rochford estava no detalhe da bateria. Houve muitos momentos mágicos de todos.”

 

Entre sua carga política inquietante, emerge um disco de beleza às vezes espectral, às vezes funk elegante, como a abertura “All That School For Nothing” e o irresistível primeiro single, “It’s a Bitch”. “Father é uma faixa bastante simples, musicalmente falando,” ele explica. “Não é uma composição complicada. Mas ainda assim parece muito rica em camadas porque tomamos nosso tempo com ela. Tínhamos que fazer. Não podia ser feito rapidamente. Para mim, sempre se trata de destilar as coisas até seus componentes essenciais.”

 

Grant pensava nos discos que tiveram um efeito profundo nele enquanto fazia The Art of The Lie. “A primeira vez que ouvi Time It's Time, a última música de The Colour Of Spring do Talk Talk; ou The Night of the Swallow de Kate Bush, em The Dreaming; ou algum material de Jane Siberry em The Speckless Sky ou qualquer coisa do Cocteau Twins ou Dead Can Dance; esses foram momentos importantes para mim na música. E, claro, há um pouco do espírito do Devo em tudo que faço de alguma forma. Há muito humor incrível na música deles, mas eles também eram sérios como um ataque cardíaco. Acho que esse é um dos temas importantes da minha vida; trata-se de momentos e de ser capaz de reconhecê-los e estar neles enquanto estão acontecendo, apesar de tudo o mais que está acontecendo. É estar em um táxi, a situação mais normal do mundo, e ver a grandeza, o peso absoluto e a majestade de uma grande cidade passando, olhando em admiração. A absurdidade do mundo do lado de fora justaposta ao mundo acontecendo do lado de dentro. Isso me fascina, a capacidade de capturar como realmente é ser humano.”

 

Essa é a fresta de luz que escapa pelas nuvens cinzentas de um mundo em declínio. A beleza existe. John Grant permitirá a si mesmo vê-la. Há uma garrafa de sal que ele mantém em sua casa na Islândia, um presente de um fã, com uma fita presa no topo. “Há uma pequena nota no topo dela,” ele lembra. “Diz ‘cada grão de sal contido aqui representa uma vez que suas músicas salvaram minha vida.’ Isso foi um presente verdadeiramente precioso e ajuda a olhar para isso quando as coisas ficam muito escuras.”

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.